segunda-feira, 9 de julho de 2012

A religião pura e imaculada


A religião pura e imaculada

“Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã.
A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.” (Tiago 1:26-27).

Existem hoje milhares de religiões em todo o mundo. Qual delas será a correta? A bíblia sagrada, a palavra de Deus, em sua sabedoria não se ocupa em apontar um nome e nem mesmo em indicar uma ou outra, até mesmo porque quem já foi correta um dia hoje dirige as pessoas por caminhos que não glorificam a Deus. Ela, no entanto, aponta qual deve ser a atitude do verdadeiro e puro religioso. E qualquer organização que não esteja ajudando o individuo a se enquadrar nestas coisas que Deus deseja, com certeza não é uma religião pura para Deus.
A primeira atitude que Tiago diz que o verdadeiro religioso deve ter é o domínio de sua língua. Caso ele não atente para isto, ele estará apenas enganando-se a si mesmo e praticando totalmente em vão a sua religião.
Em outra parte de sua epistola, Tiago ensina o seguinte sobre o uso das palavras: “De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim. Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa?” (Tiago 3:10-11). De maneira muito simples aprendemos aqui está sublime verdade, uma mesma fonte não pode jorrar ao mesmo tempo água doce e amarga, assim também de uma mesma boca não podem sair palavras torpes e também um verdadeiro louvor a Deus. A fonte é classificada pelo tipo de água que jorra. Que tipo de fonte temos sido?
O segundo quesito apontado por Tiago para se praticar uma “religião pura e imaculada para com Deus” é se preocupar com as necessidades do próximo. Na época, órfãos e viúvas não tinha qualquer apoio financeiro da parte do governo, hoje, os tipos de necessidades variaram um pouco, mas o que pratica a verdadeira religião não poderá estar indiferente ao sofrimento do próximo, seja ele qual for.
E por fim, o ultimo quesito da verdadeira religião: “guardar-se da corrupção do mundo”. Como o mundo e o reino de Deus possuem governantes totalmente opostos, é impossível que os súditos de um possam aderir a algum costume do outro. Enquanto o reino está sob o domínio de Deus, o mundo jaz no maligno e os que vivem para o mundo fazem constantemente a sua vontade. Porém, o que vive a verdadeira religião, experimenta a boa vontade de Deus, e a vontade do inimigo não prevalece em sua vida.
Desde o principio o Senhor requereu de seus servos santidade, e santidade significa separação das obras daqueles que optaram pelo mundo ao invés do reino de Deus: “E ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo, e vos separei dos povos, para serdes meus.” (Levítico 20:26). Por isto a religião só pode ser pura e imaculada para Deus, quando ensina os homens a não amarem o mundo e a se separarem dele para agradar a Deus.

Buscando refrear a minha língua do mal, buscando não estar indiferente ao sofrimento dos meus semelhantes, buscando andar separado do mundo, para viver a religião pura para com Deus.

Sidone Gouveia

2 comentários:

  1. Esclarecedor artigo, para alertar os que pensam que ser religioso, é apenas ir as igrejas todos os dias, sem se importar o minimo com o sofrimento alheio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade!Deus lhe abençoe! Obrigado por participar!

      Excluir