terça-feira, 25 de setembro de 2012

Do que podemos nos gloriar?



Do que podemos nos gloriar?
      
“Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas,
Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor.” (Jeremias 9:23-24)

O ser humano possui uma tendência muito forte de se gloriar dos atributos que possui, os quais ele acredita que o fazem sobressair. É o que nós chamamos de contar vantagem. A tendência da natureza do homem é de procurar ostentar a sua sabedoria, a sua força, as suas riquezas. Mas o Senhor diz que nada disto tem valor, se o homem não conhece-lo.
E por sua vez, quando o homem conhece a Deus de fato, ele próprio percebe que não há motivo para se gloriar de nada desta vida passageira, pois isto tudo aqui é um breve teste, e a realidade na vida eterna pode ser bem diferente. Jesus deixou bem claro que os primeiros nesta vida provavelmente serão os últimos na eternidade, e os últimos aqui serão os primeiros lá: “Porém, muitos primeiros serão os derradeiros, e muitos derradeiros serão os primeiros.” (Mateus 19:30).
Jesus exemplificou de maneira muito clara, através do relato sobre o mendigo Lázaro e o homem rico na porta do qual ele mendigava, o quanto a posição dos homens pode se alterar ao sair desta vida e entrar na eternidade. Enquanto aqui um gozava e o outro sofria, após a morte a realidade dos dois se inverteu (Lucas 16:25).
O Senhor menciona aqui através de Jeremias as três principais coisas que os homens carnais acreditam que os fazem mais importantes, a sabedoria, a força e a riqueza. A bíblia, porém, nos ensina que nada disto tem realmente valor se o homem não conhece a Deus.
Um homem pode ser entendedor das mais profundas ciências desta vida, mas se não conhecer ao Criador supremo tão logo morra seguirá para a condenação eterna. Por isto a palavra diz que: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria;” (Salmos 111:10).
Força e poder indiscutivelmente estão entre as coisas que mais fascinam os homens, mas por mais que qualquer homem possa acreditar ser forte, o governo na verdade pertence a Deus. Quando um dos maiores reis do passado, Nabucodonosor do império babilônico, resolveu se gloriar por sua força, Deus lhe fez passar um bom período comendo capim, como se fosse boi, afim de que ele soubesse que: “... o Altíssimo domina sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer.” (Daniel 4:32).
No regime capitalista em que a maioria do mundo vive hoje, nada fascina mais os mortais do que o poder das riquezas, com elas se adquire quase tudo o que alguém possa desejar. Mas a bíblia fala sobre um homem que também estava fascinado pelas suas riquezas, porém naquele dia ele teve a sua alma pedida e nenhuma delas lhe valeu mais para nada. Diante disto Jesus nos faz refletir sobre uma seria questão: “...que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mateus 16:26).
O apóstolo Paulo sim foi um homem que entendeu que nesta vida não há nada de que o homem possa se gloriar, a não ser a cruz de Cristo, pela qual o homem morre para o mundo e vive para Deus: “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” (Gálatas 6:14).


Aprendendo a não me gloriar por absolutamente nada, a não ser por conhecer ao meu Senhor, através da mensagem da cruz pela qual fui alcançado.
Sidone Gouveia

2 comentários: